Criptomoedas e o Mercado Imobiliário

Na década de 1970, o dólar americano deixou de ter seu valor atrelado ao ouro. A partir deste momento, o governo passou a poder criar dinheiro a partir do nada.

O efeito disso é que a cada nota impressa, a moeda perde valor e como o governo nunca para de imprimir dinheiro, o valor das moedas sempre vai em direção a zero. A famosa inflação.

O projeto Bitcoin, pioneiro das criptmoedas ficou muito famoso por que ele se propõe a resolver esse problema.

A tecnologia Blockchain, por trás do Bitcoin e de várias outras moedas, garante operações seguras. A Blockchain (cadeia de blocos) registra transações. A validação das transações é feita por diversos computadores na rede.

Ninguém pode criar Bitcoins à vontade, a moeda é obtida através de um processo chamado mineração, que exige equipamento caro e fica mais difícil e demorada a cada moeda minerada. Isso faz com que a moeda seja deflacionária, já que a oferta, de modo geral, aumenta mais devagar que a demanda.

 

O Primo Rico explica muito bem o que é a bitcoin neste vídeo:

O assunto das criptomoedas é fascinante, existem centenas de moedas digitais, com alguns projetos muito interessantes. Estamos no meio de uma revolução em como as pessoas vêem e usam dinheiro.

Várias construtoras já estão aceitando pagamento em criptomoeda. Já existem imobiliárias brasileiras especializadas em transações imobiliárias com dinheiro digital.

A Tecnisa já vendeu algumas unidades em troca de Bitcoins e até mesmo empresas com foco em MCMV estão aderindo à tecnologia. A Valor Real já está aceitando Bitcoin e Ethereum como forma de pagamento pelas unidades.